Carnaval sem lixo: dicas para cair na folia de maneira sustentável e consciente

Fonte Adobe Stock, Autor Drubig-Photo

Em alguns dias se inicia a festa mais popular do país, o carnaval, que leva milhares de pessoas as ruas em blocos carnavalescos e escolas de samba. A celebração de carnaval surgiu na antiguidade, não sendo uma invenção brasileira, e está ligada ao Catolicismo, antecedendo a Quaresma. A palavra Carnaval vem do latim, carnis levale, e significa basicamente “retirar a carne”, e está relacionado ao jejum feito durante a Quaresma e ao controle dos prazeres mundanos.

Como o carnaval é uma festa que o país inteiro comemora em um feriado estendido, milhares de pessoas saem as ruas em blocos ou vão aos famosos bailes em clubes, além dos desfiles em escola de samba, sempre ornamentados com fantasias cheias de brilhos e paetês, que após a festa são descartados, muitas vezes indevidamente. Além do consumo de copos plásticos, garrafas pets e de vidro, dos confetes… Praticamente tudo que sobra no fim da festa é lixo e como já falamos, que na maioria das vezes é descartado de maneira incorreta e não sustentável. Para se ter uma ideia, em 2019, somente no carnaval do Rio de Janeiro foram recolhidas 541 toneladas de lixo. Um número que pode ser reduzido com consciência e educação.

Refletindo sobre tudo isso, nós do Blog da Terra separamos algumas dicas que você, caro leitor folião pode utilizar para reduzir o seu próprio consumo de lixo, evitando que esse mesmo lixo pare nos mares e polua o meio ambiente matando vários animais. Você não quer ser responsável por toda essa sujeira, não é?

A primeira dica nem precisaria ser dita: lugar de lixo é no lixo! Já que a geração de lixo é inevitável nesse tipo de evento, não custa nada descartar o seu no lugar correto, separando os orgânicos dos recicláveis, e evitando o acúmulo pela cidade! E vamos além, por que jogar lixo no lixo é um dever fundamental de toda pessoa, o ano inteiro.

Outra dica muito básica é: evite copos descartáveis. É um atraso de vida utilizar esse tipo de material, seja no carnaval, no trabalho, na festinha do filho ou em qualquer outro lugar. Extremamente poluente e desnecessário, além de ter uma qualidade bastante duvidosa. Aqui vale usar a criatividade, amarre um cordão bem colorido em uma caneca de vidro e use pendurada em você. Não vai perder e vai encher o caneco sempre que quiser. Se não for possível, dê preferência a consumir as bebidas em latinhas de alumínio. Elas são altamente recicláveis e geram renda para milhares de famílias de catadores de lixo por todo o país.

Esqueça o glitter e o paetê. O glitter é um micro-plástico feito de petróleo que libera constantemente compostos químicos tóxicos de sua matriz plástica e pigmentos sintéticos. Quando acaba a folia e ele acaba escoando pelo ralo do chuveiro, já sabemos que ele vai parar nos oceanos, porque é quase impossível filtrar esse micro-plástico pelo sistema de tratamento de esgoto. Felizmente já existe o glitter biodegradável, ou bioglitter, que pode ser produzido com algas, gelatina incolor, corantes vegetais, mica, entre outros. Mas não se engane, se no rótulo da embalagem constar os termos polyethylene ou microbeads não utilize, pois o produto contém micro-plástico na composição.

Confete e serpentina são outros itens que não podem faltar na hora da folia, mas nada de usar o de papel comum ou laminado. Faça seu eco confete com folhas naturais, que você encontra na natureza nos mais diversos tons de amarelo, laranja, marrom e verde. É só usar um furador de papel. O principal cuidado é com o tipo de folha a escolher, pois algumas como espada de são Jorge, urtigas e comigo-ninguém-pode são tóxicas. A solução é barata pois é só recolher as folhas caídas das árvores que você encontra pelas ruas, e sustentável, pois após a folia o eco-confete vai se decompor naturalmente, sem afetar negativamente o meio ambiente.

Você também pode reaproveitar as fantasias ou fazer as suas em casa, com aquelas roupas que estão no fundo do armário e você nem lembra mais. É só usar sua criatividade!

Enfim, você pode cair na folia sem poluir o meio ambiente, pulando o carnaval com consciência. E não se esqueça também de manter seu corpo hidratado, bebendo bastante água pra evitar a desidratação, volte de carona se beber, use camisinha e principalmente, “não é não”!

Recicle suas atitudes!

Por Mel Lessa e Maria Luciano Lessa