Microplástico: Um grande problema

O microplástico presente nos cosméticos é um grande poluente dos oceanos.

A população brasileira é a quarta maior consumidora de cosméticos no mundo, ficando atrás somente dos Estados Unidos, China e Japão. Todos os anos são produzidas 120 bilhões de embalagens de cosméticos, em sua maioria absoluta de plástico, que serão utilizadas apenas uma única vez e depois descartadas. Mas infelizmente, o plástico dos cosméticos não está presente apenas nas embalagens.

Muitos dos nossos cosméticos do dia-a-dia contêm microplásticos, que são microesferas que podem variar de 1 a 5 mm e são os principais poluentes dos oceanos, mares e rios. Nos rótulos das embalagens, eles aparecem com os nomes “polyethylene”, “polypropylene”, “polietileno tereftalato” ou “nylon”, e são encontrados em pastas de dentes, xampus, sabonetes, hidratantes e principalmente nos esfoliantes.

O grande problema reside no fato de que esse microplástico do seu cosmético – que é extremamente poluente – escorre pelo ralo quando você lava sua pele e por serem muito pequenos e flutuarem, não são retidos nas estações de tratamento de esgotos, e acabam parando nos mares, rios, lagos e oceanos, contaminando a fauna marinha. Pequenos crustáceos e peixes se alimentam desses poluentes, que ainda por cima absorvem metais pesados e pesticidas, que quando não os matam asfixiados, podem parar na nossa mesa em forma de alimento. Porque há uma reação em cadeia nesse processo: a ave come o peixe maior que comeu o menor que havia ingerido microplástico, e assim a contaminação se expande e retorna para nós, consumidores de cosméticos que geramos essa poluição. Essa capacidade do microplástico absorver substâncias químicas perigosas podem levar a distúrbios hormonais e até estar associado a alguns tipos de câncer. Bem ruim, não é?

Mas nem tudo está perdido

Antecipando-se a uma possível proibição no Brasil, as indústrias de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria assumiram um compromisso voluntário de eliminar o uso dos micropartículas plásticas sólidas insolúveis (MPSIS) até 2021, substituindo-as por produtos biodegradáveis.

A gama de ingredientes sustentáveis que podem substituir as micropartículas plásticas, sem afetar o desempenho do produto, inclui matérias primas derivadas de sementes (maracujá, castanhas, jojoba e kiwi), derivados de celulose (açúcar e o bamboo), frutos secos, como nozes ou amêndoas, que são moídos em tamanhos diferentes para se adaptar a diferentes produtos e efeitos, e até mesmo quitina e carbonato de cálcio a partir de resíduos de crustáceos.

Reino Unido, França, EUA e, mais recentemente, o Japão, já adotam medidas para proibir ou inibir os usos destes ingredientes em produtos cosméticos e de higiene pessoal. Essa proibição já se tornou uma tendência mundial, e no Brasil há um projeto de Lei nº 6528 de 2016, que trata de proibir o uso de microplásticos em cosméticos e produtos de higiene. O PL foi aprovado por unanimidade em novembro de 2018 na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (CDEICS) da Câmara dos Deputados e agora encontra-se na pauta da Comissão de Constituição e Justiça e De Cidadania (CCJC).

Felizmente temos muitas alternativas ao uso do microplástico e podemos consumir cosméticos que já não contém esses ingredientes tão poluentes. Opte pelos cosméticos e produtos naturais, que não agridem o meio ambiente e cuidam e tratam da sua pele tão ou até mais eficientemente que os cosméticos tradicionais.

Consuma com consciência e elimine o microplástico da sua vida! A natureza agradece, e as próximas gerações também!

Fontes de consulta: eCycle e Exame

Dia Mundial do Meio Ambiente

O Dia Mundial do Meio Ambiente comemora-se em 05 de junho.

Origem do Dia Mundial do Meio Ambiente

Em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Mundial do Meio Ambiente, que passou a ser comemorado todo dia 05 de junho. Essa data, que foi escolhida para coincidir com a data de realização dessa conferência, tem como objetivo principal chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis.

Nessa Conferência, que ficou conhecida como Conferência de Estocolmo, iniciou-se uma mudança no modo de ver e tratar as questões ambientais ao redor do mundo, além de serem estabelecidos princípios para orientar a política ambiental em todo o planeta. Apesar do grande avanço que a Conferência representou, não podemos afirmar, no entanto, que todos os problemas foram resolvidos a partir daí.

Importância do Dia Mundial do Meio Ambiente

Atualmente existe uma grande preocupação em torno do meio ambiente e dos impactos negativos da ação do homem sobre ele. A destruição constante de habitat e a poluição de grandes áreas, por exemplo, são alguns dos pontos que exercem maior influência na sobrevivência de diversas espécies.

Tendo em vista o acentuado crescimento dos problemas ambientais, muitos pontos merecem ser revistos tanto pelos governantes quanto pela população para que os impactos sejam diminuídos. Se nada for feito, o consumo exagerado dos recursos e a perda constante de biodiversidade poderão alterar consideravelmente o modo como vivemos atualmente, comprometendo, inclusive, nossa sobrevivência.

Dentre os principais problemas que afetam o meio ambiente, podemos destacar o descarte inadequado de lixo, a falta de coleta seletiva e de projetos de reciclagem, consumo exagerado de recursos naturais, desmatamento, inserção de espécies exóticas, uso de combustíveis fósseis, desperdício de água e esgotamento do solo. Esses problemas e outros poderiam ser evitados se os governantes e a população se conscientizassem da importância do uso correto e moderado dos nossos recursos naturais.

Em razão da importância da conscientização e da dimensão do impacto gerado pelo homem, o Dia Mundial do Meio Ambiente é uma data que merece bastante destaque no calendário mundial. Entretanto, não basta apenas plantar uma árvore ou separar o lixo nesse dia, é necessário que sejam feitas campanhas de grande impacto que mostrem a necessidade de mudanças imediatas nos nossos hábitos de vida diários.

Apesar de muitos acreditarem que a mudança deve acontecer em escala mundial e que apenas uma pessoa não consegue mudar o mundo,é fundamental que cada um faça a sua parte e que toda a sociedade reivindique o cumprimento das leis ambientais. Todos devemos assumir uma postura de responsabilidade ambiental, pois só assim conseguiremos mudar o quadro atual.

A proteção e o melhoramento do meio ambiente humano é uma questão fundamental que afeta o bem-estar dos povos e o desenvolvimento econômico do mundo inteiro, um desejo urgente dos povos de todo o mundo e um dever de todos os governos.”

(Declaração de Estocolmo sobre o ambiente humano – 1972)


FONTE: SANTOS, Vanessa Sardinha dos. “05 de Junho — Dia Mundial do Meio Ambiente”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/datas-comemorativas/dia-mundial-do-meio-ambiente-ecologia.htm. Acesso em 05 de junho de 2020.

Semana Nacional do Meio Ambiente

A Semana Nacional do Meio Ambiente é comemorada na primeira semana do mês de junho, quando no dia 5 se celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Esta semana de conscientização foi criada, no Brasil, pelo Decreto nº 86.028, de 27 de maio de 1981. O objetivo era complementar a celebração ao Dia do Meio Ambiente instituído pela ONU.

A iniciativa visa incluir a sociedade na discussão de pautas que tratem da preservação do patrimônio natural do Brasil.

Infelizmente nesse ano de pandemia, algumas ações que geralmente são propostas nessa semana ficaram prejudicadas, tendo apenas alguns Estados e órgãos relacionados ao meio ambiente proposto formas de debater as questões ecológicas virtualmente.

Dia mundial do meio ambiente

Esta data foi criada pela Organização das Nações Unidas – ONU, durante a Conferência de Estocolmo, na Suécia, que aconteceu entre 5 e 16 de junho de 1972.

A proposta desta data é chamar a atenção de todos os governos mundiais e da população sobre a necessidade de implantar medidas emergenciais para prevenir a degradação do meio ambiente.

Fonte: Calendarr

Nessa semana, traremos outros assuntos relacionados a Biodiversidade, que é o tema do Dia do Meio Ambiente de 2020.

Os benefícios da Castanha-do-Brasil para saúde

As Castanhas do Brasil, ricas em selênio, proporcionam diversos benefícios à saúde, incluindo sua capacidade de reduzir a inflamação, fortalecer o sistema imunológico, melhorar a saúde do coração, ajudar nos cuidados com a pele, ajudar na perda de peso e aliviar a ansiedade. Também são conhecidas por melhorar o processo digestivo e aumentar a fertilidade masculina.

Informações nutricionais

As castanhas-do-Brasil são uma das castanhas mais saudáveis disponíveis, principalmente devido ao seu alto teor de selênio. De acordo com o USDA National Nutrient Database, as castanhas são uma rica fonte de energia e proteína e têm um impressionante perfil mineral e vitamínico. 

Segundo estudos publicados na revista Nutrients, as castanhas-do-Brasil são ricas em antioxidantes e apresentam altos níveis de ácidos graxos monoinsaturados (MUFAs).  São naturalmente sem glúten e uma excelente fonte de fibra alimentar. 

Benefícios para a saúde

Principal fonte de selênio

A Castanha-do-Brasil é a fonte número um de selênio. O selênio é um mineral que é extremamente vital para o corpo, pois tem um forte poder antioxidante, combate os radicais livres e combate a inflamação, aumentando assim a saúde geral. Estudos mostram que quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo sofrem de deficiência de selênio, o que torna a Castanha-do-Pará uma importante escolha alimentar.

Melhora a saúde do coração

De acordo com um estudo conduzido pela Dra. Penny Kris-Etherton, renomada professora da Pennsylvania State University, EUA, mostra que o consumo de castanhas ajuda a reduzir o mau colesterol em mais de 25% devido a seus perfis nutricionais. A castanha-do-Brasil tem um teor surpreendentemente alto de gorduras insaturadas saudáveis, comumente conhecidas como HDL, bom colesterol ou ácidos graxos ômega-3. Isso inclui ácido oleico e ácido palmitoleico. Essas variedades de gorduras insaturadas, magnésio, vitamina E e selênio contidos na castanha-do-pará estão, portanto, relacionadas ao equilíbrio do perfil de colesterol do corpo e à melhoria da saúde do coração.

Anti-inflamatório

Os altos níveis de ácido elágico e selênio, tornam as castanhas uma forte fonte anti-inflamatória. O ácido elágico também possui potentes propriedades neuro protetoras. Além disso, o zinco na castanha-do-Pará ou castanha-do-Brasil reduz as inflamações e ajuda a eliminar as toxinas.

Aumenta os níveis de testosterona

A castanha-do-Brasil, com seu alto teor de selênio, é considerada superalimento de testosterona. O selênio dietético pode ajudar a melhorar a qualidade, a motilidade e o volume dos espermatozoides, de acordo com um estudo publicado no Journal of Urology. Isso, por sua vez, está relacionado com os níveis de testosterona nos homens, quanto maior a testosterona, maior a contagem de espermatozoides. A L-arginina nas castanhas também é um tratamento eficaz para a disfunção erétil.

Propriedades antioxidantes

Os antioxidantes da castanha-do-Brasil ajudam na prevenção de muitas doenças crônicas. Isto é confirmado em um estudo realizado no Departamento de Cirurgia Oncológica, Roswell Park Cancer Institute, em Buffalo, Nova York. A glutationa ativada pela presença de selênio, é um antioxidante enzimático que elimina os radicais livres em todas as partes do corpo.

Bem-estar

Baixos níveis de selênio estão ligados à ansiedade, estresse e cansaço, de acordo com uma pesquisa recente citada na revista Biological Psychiatry. O consumo de castanhas aumenta o metabolismo da serotonina, uma substância química do cérebro que controla o humor, o apetite e o sono. Assim, a ingestão regular de castanha do Pará, rica em selênio pode ajudar a aliviar os vários problemas causados ​​pela deficiência de selênio, como depressão, problemas de humor, fadiga e estresse.

Regula a glândula tireoide

O teor de selênio, na castanha-do-Pará, desempenha um papel importante no bom funcionamento da sua glândula tireoide. A glândula tireoide é onde alguns dos hormônios essenciais do corpo são produzidos, distribuídos e regulados.

Saúde da pele

As vitaminas e nutrientes presentes na castanha-do-Pará melhoraram a saúde da pele. O selênio, os ácidos graxos ômega 3 e as vitaminas C e E nas castanhas fornecem à pele um brilho saudável e melhoram a elasticidade da pele, prevenindo o envelhecimento precoce.

O selênio estimula a atividade da glutationa, um poderoso composto antioxidante que pode remover os radicais livres das células da pele que causam rugas e outras condições de saúde. Além disso, o óleo de castanha do Brasil é um excelente emoliente que ajuda a prevenir o ressecamento da pele, o eczema e a psoríase. Além disso, moer um punhado de nozes e misturar o mesmo com um ovo contribui para um esfoliante de pele profundamente nutritivo.

Proteção contra a radiação UV

O cobre na castanha-do-Brasil ajuda na produção de melanina, que protege a pele dos raios ultravioletas prejudiciais.

Combate a acne

O alto teor de zinco na castanha-do-Brasil, protege a pele contra a acne, basta o consumo das castanhas ou a aplicação de óleo de castanha na área afetada. As vitaminas e antioxidantes do óleo são os principais responsáveis por esta proteção.

Alta proteína

Muitas pessoas esquecem a importância das proteínas em sua dieta, particularmente se elas estão em dieta restrita ou são vegetarianas. Então, um punhado dessas castanhas pode ser um impulso útil para manter seus níveis de proteína elevados!

Zinco

O zinco, ajuda a tratar a Acrodermatite enteropática. Este é um distúrbio genético raro em que o corpo é incapaz de absorver quantidades suficientes de zinco.

Cuidado capilar

L-arginina, um aminoácido presente nas castanhas, é usado principalmente para tratar a calvície, uma vez que estimula o crescimento de cabelos grossos e brilhantes. A castanha-do-pará também é rica em ômega 3, vitamina E e selênio, que ajudam a tornar o cabelo brilhante, saudável e menos propenso à quebra.

Perda de peso

As castanhas-do-Brasil, são ricas em proteínas e fibras, são perfeitas para lanches ricos em nutrientes, mantendo você satisfeito por mais tempo.

Estimula o sistema digestivo

O teor de fibra na castanha-do-Brasil é ótimo para ajustar o seu sistema digestivo. A fibra facilita o movimento peristáltico no sistema gastrointestinal, movimentando os alimentos através do sistema digestivo e extraindo o máximo de nutrientes possível. Isso também pode ajudá-lo a evitar úlceras gástricas, constipação, inchaço e cãibras. Além disso, você encontrará um aumento nos níveis de energia e uma melhoria na perda de peso, mantendo o sistema limpo e funcionando sem problemas.

Função muscular

A castanha-do-Pará é uma importante fonte de proteínas, com todos os aminoácidos essenciais, que ajudam a melhorar e fortalecer os músculos. Eles também contêm magnésio, o que ajuda a evitar o acúmulo de ácido láctico nos músculos, evitando assim a dor.

Melhora a densidade mineral óssea

O teor de cobre na castanha-do-brasil ajuda a melhorar a densidade mineral óssea e a formação de tecidos ósseos. Também ajuda na absorção de ferro na corrente sanguínea.

Impulsiona o sistema imunológico

Qualquer alimento que tenha uma concentração alta de nutrientes é útil para fortalecer o sistema imunológico. Os antioxidantes e compostos orgânicos presentes na castanha, ajudam a estimular melhor o sistema imunológico, de acordo com um estudo realizado no Memorial University of Newfoundland, Canadá, EUA. A vitamina C combinada com selênio e zinco estimulam a produção de glóbulos brancos e compostos antioxidantes em todo o corpo para neutralizar os radicais livres.

Promove o crescimento

A proteína das castanhas é necessária para o crescimento celular, reparação e cicatrização de feridas. A vitamina C, também é um componente importante do colágeno, outra parte essencial do crescimento humano e reparo de vasos sanguíneos, tecidos e células.

Facilita a absorção de nutrientes

Os altos níveis de magnésio encontrados na castanha-do-Pará ajudam a estimular a absorção eficiente de nutrientes no sistema digestivo, o que significa que obtemos o máximo de benefícios possíveis de nossos alimentos. O zinco também é um dos elementos mais difíceis de que nosso corpo precisa, e os altos níveis naturais da castanha-do-pará e a facilitação da absorção de nutrientes ajudam a equilibrar essa deficiência comum.

Saúde Mental

A Castanha-do-Brasil ou Castanha-do-Pará, é rica em tiamina, que ajuda a manter o sistema nervoso saudável e forte. Elas também ajudam a aliviar distúrbios relacionados ao estresse.

Como comer castanha do Brasil?

A castanha do Brasil pode ser consumida em toda a forma ou o óleo essencial pode ser extraído e usado para muitos remédios diretos. É importante comer castanhas do Brasil descascadas em tempo hábil, pois o alto teor de gordura faz com que essas castanhas estraguem. O óleo extraído pode permanecer viável por meses se extraído adequadamente e é usado para benefícios de saúde semelhantes oferecidos pela castanha do Brasil.

Efeitos colaterais das castanhas do Brasil

Existem alguns efeitos colaterais que podem ocorrer se essas castanhas forem consumidas em excesso. Eles são os seguintes:

Ganho de peso:  Apesar dessa ampla gama de benefícios à saúde, as castanhas-do-Brasil têm um alto nível de calorias e gordura saturada . Portanto, antes de fazer dessas castanhas uma parte importante de sua dieta semanal, consulte seu profissional de saúde sobre a quantidade ou tamanho de porção apropriado para você.

Sobre dosagem com selênio: excesso de selênio pode ter efeitos negativos, incluindo fadiga, dor de estômago e perda de cabelo.

Problemas cardíacos:  embora sua capacidade de equilibrar os níveis de colesterol possa ajudar a prevenir a aterosclerose, ataques cardíacos e derrames, não podemos ignorar a presença de grandes quantidades de seu conteúdo de gordura saturada nas castanhas-do-Brasil. Portanto, tenha cuidado ao consumir essas castanhas em excesso. 

Alergias: Como em todas as castanhas, as alergias à castanha-do-Brasil podem ser bastante graves. Portanto, certifique-se de fazer um teste para detectar possíveis alergias às nozes antes de consumi-las, principalmente em forma de óleo.

Aflatoxinas:  as castanhas-do-pará cruas podem conter aflatoxinas, que são altamente cancerígenas.

Fonte: Organic Facts

A castanha do Brasil tem propriedades antioxidantes e é um excelente hidratante para a pele. Se você procura um produto natural à base de Castanha do Brasil para a sua pele, acesse: https://www.terracotacosmetica.com.br/locao-hidratante-castanha-do-brasil-arte-dos-aromas-220ml

Castanha do Brasil: Uma gigante ameaçada

Árvore Castanheira do Brasil.

Bertholletia excelsa, uma árvore endêmica da Floresta Amazônica,  popularmente conhecida como castanha-do-brasil, castanha-da-Amazônia, castanha-do-acre, castanha-do-pará, noz amazônica, noz boliviana, tocari ou tururi. Muito abundante no norte do Brasil e na Bolívia cujo fruto contém a castanha, que é sua semente. Está entre as maiores árvores da Amazônia chegando a medir entre 30 e 50 metros de altura e tendo entre 1 e 2 metros de diâmetro no tronco, podendo viver de 500 até 1.600 anos.

É a única espécie do gênero Bertholletia. Nativa das Guianas, Venezuela, Brasil (Acre, Amapá, Amazônia, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Rondônia), Colômbia, Peru e Bolívia, ela ocorre em árvores espalhadas pelas grandes florestas às margens do Rio Amazonas, Rio Negro, Rio Orinoco, Rio Araguaia e Rio Tocantins.

Atualmente, é abundante apenas no Estado do Acre, na Bolívia e no Suriname. Incluída na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) como vulnerável, o desmatamento é a ameaça a suas populações. Nas margens do Rio Tocantins, foi derrubada para a construção de estradas e de uma barragem. No sul do Pará, por assentamentos de sem-terra. No Acre e no Pará, a criação de gado provoca sua morte, e a caça das cutias, que são os dispersores naturais de suas sementes, ameaça a formação de novos indivíduos.

É altamente consumida pela população local in natura, torrada, ou na forma de farinhas, doces e sorvetes. Sua casca é muito resistente e requer grande esforço para ser extraída manualmente.

As Bertholletia excelsa destinadas ao comércio internacional vêm inteiramente da colheita selvagem, e não de plantações. Este modelo vem sendo estimulado como uma maneira de se gerar renda a partir de uma floresta tropical sem destruí-la. As castanhas são colhidas por trabalhadores migrantes conhecidos como “castanheiros”.

A análise da idade das árvores nas áreas onde houve extração mostram que a colheita de moderada a intensa coleta tantas sementes que não resta um número suficiente para substituir as árvores mais antigas à medida que elas morrem. Sítios com menos atividades de colheita possuem mais árvores jovens, enquanto sítios com atividade intensa de colheita praticamente não as possuem.

Experimentos estatísticos foram feitos para se determinar quais fatores ambientais podem estar contribuindo para a falta de árvores mais jovens. O fator mais consistente foi o nível de atividade de colheita em determinado sítio.

As castanheiras dependem de um ambiente intocado para sua reprodução. Suas flores só são polinizadas por alguns tipos de insetos, que são atraídos por orquídeas que vivem perto das árvores de castanha. Se as orquídeas ou os insetos são mortos, as castanheiras não dão frutos.

O fruto da castanha leva mais de um ano para amadurecer, é mais ou menos do tamanho de um coco e pode pesar 2kg. A casca é muito dura e abriga entre 8 e 24 sementes, que são as apreciadas castanhas.

Caso não sejam devoradas por roedores, micos ou humanos, as sementes demoram de 12 a 18 meses para germinar. Muitas delas são plantadas por cutias, que roem os frutos até abrir a dura casca, comem algumas das sementes e enterram as outras para comer mais tarde. As sementes esquecidas pelas cutias brotarão da terra no ano seguinte para começar os 500 anos de vida de uma nova castanheira-do-Brasil.

Como a maior ameaça às castanheiras-do-Brasil é o desmatamento, para erradicar o risco de extinção dessa espécie precisamos cuidar de nossas florestas. Comprar apenas madeira certificada, apoiar a criação e a gestão de unidades de conservação e dar preferência a produtos sustentáveis do ponto de vista ecológico e social são formas de ajudar a conservar as castanheiras e muitas outras espécies de árvores ameaçadas.

No próximo post vamos falar dos principais benefícios de semente de castanha para a saúde e as melhores formas de consumi-las. Aguarde!

FONTE: WWF (World Wide Fund for Nature)

Quer ler mais sobre algumas árvores gigantes? Acesse: https://revistacicloambiental.art.blog/2020/04/02/saiba-tudo-sobre-as-maiores-arvores-do-mundo/

A castanha do Brasil tem propriedades antioxidantes e é um excelente hidratante para a pele. Se você procura um produto natural à base de Castanha do Brasil para a sua pele, acesse: https://www.terracotacosmetica.com.br/locao-hidratante-castanha-do-brasil-arte-dos-aromas-220ml

Assine e fique por dentro de todas as nossas postagens!

21 Atitudes Para Consumir com Consciência

Antes de fazer uma compra, todo consumidor responsável deve se fazer essas seis perguntas:

  1. Porque comprar?
  2. O que comprar?
  3. Como comprar?
  4. De quem comprar?
  5. Como usar?
  6. Como descartar?

E já que estamos falando em Consumo Consciente, que tal você leitor colocar em prática algumas dicas para consumir de maneira mais sustentável? Confira!

1.Planeje suas compras.
Não seja impulsivo nas compras. A impulsividade é inimiga do consumo consciente. Planeje antecipadamente e, com isso, compre menos e melhor.

2. Avalie os impactos de seu consumo.
Leve em consideração o meio ambiente e a sociedade em suas escolhas de consumo.

3. Consuma apenas o necessário.
Reflita sobre suas reais necessidades e procure viver com menos.

4.Reutilize produtos e embalagens.
Não compre outra vez o que você pode consertar, transformar e reutilizar.

5.Separe seu lixo.
Recicle e contribua para a economia de recursos naturais, a redução da degradação ambiental e a geração de empregos.

6.Use crédito conscientemente.
Pense bem se o que você vai comprar a crédito não pode esperar e esteja certo de que poderá pagar as prestações.

7.Conheça e valorize as práticas de responsabilidade social das empresas.
Em suas escolhas de consumo, não olhe apenas preço e qualidade do produto. Valorize as empresas em função de sua responsabilidade para com os funcionários, a sociedade e o meio ambiente.

8. Não compre produtos piratas ou contrabandeados.
Compre sempre do comércio legalizado e, dessa forma, contribua para gerar empregos estáveis e para combater o crime organizado e a violência.

9. Contribua para a melhoria de produtos e serviços.
Adote uma postura ativa. Envie às empresas sugestões e críticas construtivas sobre seus produtos e serviços.

10. Divulgue o consumo consciente.
Seja um militante da causa: sensibilize outros consumidores e dissemine informações, valores e práticas do consumo consciente. Monte grupos para mobilizar seus familiares, amigos e pessoas mais próximas.

11.   Cobre dos políticos.
Exija de partidos, candidatos e governantes propostas e ações que viabilizem e aprofundem a prática de consumo consciente.

12.  Reflita sobre seus valores.
Avalie constantemente os princípios que guiam suas escolhas e seus hábitos de consumo.

Nós ainda acrescentamos outras atitudes que podem contribuir para a sua missão de consumir com consciência:

13. Leia atentamente os rótulos antes de comprar algum produto.

 Sempre que possível, utilize produtos naturais e evite consumir produtos com derivados de petróleo.

14. Use o verso das folhas de papel, sempre que possível.

15. Feche a torneira enquanto escova os dentes.

 Se você não o fizer, pode gastar em média 25 litros de água. Um grande desperdício de recursos naturais, quando sabemos que menos da metade da população mundial tem acesso à água potável.

16. Reduza o tempo do seu banho.

Pela redução do consumo de água e de energia elétrica.

17.  Evite deixar lâmpadas acesas em ambientes desocupados.

Também tenha o hábito de desligar os equipamentos eletrônicos das tomadas, pois mesmo desligados ainda consomem energia. Economize energia.

18. Opte por comprar produtos feitos com material reciclado.

19. Opte por comprar produtos orgânicos.

Assim, você preserva sua saúde e a de sua família ao não consumir produtos químicos tóxicos.

20.  Prefira fazer suas compras no comércio do seu bairro.

 Assim você incentiva os pequenos negócios e ajuda na geração de renda de sua comunidade.

21. Peça sempre a nota fiscal de suas compras.

Você garante que não está comprando produtos pirateados (e incentivando o crime organizado), e que o comerciante está trabalhando de acordo com as normas tributárias legais. Porque o ICMS arrecadado pelos Estados nas vendas comerciais é destinado para as políticas públicas sociais de educação, saúde e segurança.

Gostou desse tema? Esse outro post pode lhe interessar: https://blogdaterra.com.br/2020/05/06/consumo-consciente-uma-necessidade-imediata/

FONTE: Instituto Akatu e CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável)

Consumo Consciente: Uma Necessidade Imediata

A humanidade já consome 30% mais recursos naturais do que a capacidade de renovação da Terra. Se os padrões de consumo e produção se mantiverem no atual patamar, em menos de 50 anos serão necessários dois planetas Terra para atender nossas necessidades de água, energia e alimentos. Não é preciso dizer que esta situação certamente ameaçará a vida no planeta, inclusive da própria humanidade.

A melhor maneira de mudar isso é a partir das escolhas de consumo.

Todo consumo causa impacto (positivo ou negativo) na economia, nas relações sociais, na natureza e em você mesmo. Ao ter consciência desses impactos na hora de escolher o que comprar, de quem comprar e definir a maneira de usar e como descartar o que não serve mais, o consumidor pode maximizar os impactos positivos e minimizar os negativos, desta forma contribuindo com seu poder de escolha para construir um mundo melhor. Isso é Consumo Consciente. Em poucas palavras, é um consumo com consciência de seu impacto e voltado à sustentabilidade.O consumo consciente é uma questão de hábito: pequenas mudanças em nosso dia-a-dia têm grande impacto no futuro.

 QUEM É O CONSUMIDOR CONSCIENTE?

O consumidor consciente é aquele que leva em conta, ao escolher os produtos que compra, o meio ambiente, a saúde humana e animal, as relações justas de trabalho, além de questões como preço e marca.

O consumidor consciente sabe que pode ser um agente transformador da sociedade por meio do seu ato de consumo. Sabe que os atos de consumo têm impacto e que, mesmo um único indivíduo, ao longo de sua vida, produzirá um impacto significativo na sociedade e no meio ambiente. Por meio de cada ato de consumo, o consumidor consciente busca o equilíbrio entre a sua satisfação pessoal e a sustentabilidade, maximizando as consequências positivas e minimizando as negativas de suas escolhas de consumo, não só para si mesmo, mas também para as relações sociais, a economia e a natureza. O consumidor consciente também procura disseminar o conceito e a prática do consumo consciente, fazendo com que pequenos gestos realizados por um número muito grande de pessoas promovam grandes transformações.

Além disso, o consumidor consciente valoriza as iniciativas de responsabilidade sócio ambiental das empresas, dando preferência às companhias que mais se empenham na construção da sustentabilidade por meio de suas práticas cotidianas.

O consumo consciente pode ser praticado no dia-a-dia, por meio de gestos simples que levem em conta os impactos da compra, uso ou descarte de produtos ou serviços, ou pela escolha das empresas da qual comprar, em função de seu compromisso com o desenvolvimento sócio ambiental. Assim, o consumo consciente é uma contribuição voluntária, cotidiana e solidária para garantir a sustentabilidade da vida no planeta.

FONTE: Ministério do Meio Ambiente

O Dia Mundial da Água

Foto de Skitterphoto no Pexels

No dia 22 de março comemora-se o Dia Mundial da Água. Essa data foi proposta em 1992 pela ONU (Organização das Nações Unidas), no evento realizado no Rio de Janeiro conhecido  como ECO 92, na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente, com o objetivo de promover a conscientização sobre a importância e relevância da água para a sobrevivência de todas as espécies animais e vegetais vivas do nosso planeta. Nesse evento foi elaborada a “Declaração Universal dos Direitos da Água”, dividida em 10 artigos:

Art. 1º: A água faz parte do patrimônio natural do planeta;

Art. 2º: A água é a seiva do nosso planeta, ou seja, é a condição de vida essencial para todo o ser vegetal, animal e humano;

Art. 3º: Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados;

Art. 4º: O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e dos seus ciclos;

Art. 5º: A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores;

Art. 6º: A água não é uma doação gratuita da natureza, ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;

Art. 7º: A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada;

Art. 8º: A utilização da água implica no respeito à lei;

Art. 9º: A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades da ordem econômica, sanitária e social;

Art. 10º: O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Desde então, a partir de 1993 se discute anualmente sobre algum tema relacionado a água, abordando vários aspectos e temáticas relacionadas. Em 2020, o tema será “A água e as mudanças climáticas”.

A poluição da água é o resultado da alteração da sua qualidade o que a torna imprópria para o consumo humano e prejudicial aos seres vivos que nela habitam.

Estatísticas da Organização das Nações Unidas (ONU) demonstram que 25% da população do planeta não tem acesso a água potável e cerca de 58% dos municípios do Brasil não tem água tratada. Importante lembrar que nosso país possui 12% das reservas de água doce do mundo.

Além disso, cerca de 20 países já sofrem com a escassez da água, o que corresponde a 40% da população mundial, gerando muitos problemas de saúde pública.

A água, como recurso finito essencial para a vida no planeta, colabora também com a produção de alimentos.

Por tudo isso, devemos conservar esse recurso natural tão valioso para a nossa vida, e atitudes do dia a dia fazem toda a diferença. Se por exemplo cada pessoa reduzir em 2 ou 3 minutos o tempo de banho, economizará de 3 a 6 litros de água. Os impactos dessa redução são significativos econômica e socialmente.

 E cada um de nós precisa fazer a sua parte.

Por Maria Lessa

Essa é o primeiro de uma série de artigos sobre as temáticas relacionadas ao uso racional da água. Se quer acompanhar e saber mais, inscreva-se.

Carnaval sem lixo: dicas para cair na folia de maneira sustentável e consciente

Fonte Adobe Stock, Autor Drubig-Photo

Em alguns dias se inicia a festa mais popular do país, o carnaval, que leva milhares de pessoas as ruas em blocos carnavalescos e escolas de samba. A celebração de carnaval surgiu na antiguidade, não sendo uma invenção brasileira, e está ligada ao Catolicismo, antecedendo a Quaresma. A palavra Carnaval vem do latim, carnis levale, e significa basicamente “retirar a carne”, e está relacionado ao jejum feito durante a Quaresma e ao controle dos prazeres mundanos.

Como o carnaval é uma festa que o país inteiro comemora em um feriado estendido, milhares de pessoas saem as ruas em blocos ou vão aos famosos bailes em clubes, além dos desfiles em escola de samba, sempre ornamentados com fantasias cheias de brilhos e paetês, que após a festa são descartados, muitas vezes indevidamente. Além do consumo de copos plásticos, garrafas pets e de vidro, dos confetes… Praticamente tudo que sobra no fim da festa é lixo e como já falamos, que na maioria das vezes é descartado de maneira incorreta e não sustentável. Para se ter uma ideia, em 2019, somente no carnaval do Rio de Janeiro foram recolhidas 541 toneladas de lixo. Um número que pode ser reduzido com consciência e educação.

Refletindo sobre tudo isso, nós do Blog da Terra separamos algumas dicas que você, caro leitor folião pode utilizar para reduzir o seu próprio consumo de lixo, evitando que esse mesmo lixo pare nos mares e polua o meio ambiente matando vários animais. Você não quer ser responsável por toda essa sujeira, não é?

A primeira dica nem precisaria ser dita: lugar de lixo é no lixo! Já que a geração de lixo é inevitável nesse tipo de evento, não custa nada descartar o seu no lugar correto, separando os orgânicos dos recicláveis, e evitando o acúmulo pela cidade! E vamos além, por que jogar lixo no lixo é um dever fundamental de toda pessoa, o ano inteiro.

Outra dica muito básica é: evite copos descartáveis. É um atraso de vida utilizar esse tipo de material, seja no carnaval, no trabalho, na festinha do filho ou em qualquer outro lugar. Extremamente poluente e desnecessário, além de ter uma qualidade bastante duvidosa. Aqui vale usar a criatividade, amarre um cordão bem colorido em uma caneca de vidro e use pendurada em você. Não vai perder e vai encher o caneco sempre que quiser. Se não for possível, dê preferência a consumir as bebidas em latinhas de alumínio. Elas são altamente recicláveis e geram renda para milhares de famílias de catadores de lixo por todo o país.

Esqueça o glitter e o paetê. O glitter é um micro-plástico feito de petróleo que libera constantemente compostos químicos tóxicos de sua matriz plástica e pigmentos sintéticos. Quando acaba a folia e ele acaba escoando pelo ralo do chuveiro, já sabemos que ele vai parar nos oceanos, porque é quase impossível filtrar esse micro-plástico pelo sistema de tratamento de esgoto. Felizmente já existe o glitter biodegradável, ou bioglitter, que pode ser produzido com algas, gelatina incolor, corantes vegetais, mica, entre outros. Mas não se engane, se no rótulo da embalagem constar os termos polyethylene ou microbeads não utilize, pois o produto contém micro-plástico na composição.

Confete e serpentina são outros itens que não podem faltar na hora da folia, mas nada de usar o de papel comum ou laminado. Faça seu eco confete com folhas naturais, que você encontra na natureza nos mais diversos tons de amarelo, laranja, marrom e verde. É só usar um furador de papel. O principal cuidado é com o tipo de folha a escolher, pois algumas como espada de são Jorge, urtigas e comigo-ninguém-pode são tóxicas. A solução é barata pois é só recolher as folhas caídas das árvores que você encontra pelas ruas, e sustentável, pois após a folia o eco-confete vai se decompor naturalmente, sem afetar negativamente o meio ambiente.

Você também pode reaproveitar as fantasias ou fazer as suas em casa, com aquelas roupas que estão no fundo do armário e você nem lembra mais. É só usar sua criatividade!

Enfim, você pode cair na folia sem poluir o meio ambiente, pulando o carnaval com consciência. E não se esqueça também de manter seu corpo hidratado, bebendo bastante água pra evitar a desidratação, volte de carona se beber, use camisinha e principalmente, “não é não”!

Recicle suas atitudes!

Por Mel Lessa e Maria Luciano Lessa

Cruelty-Free: Uma escolha necessária

Urso polar em pé num fundo cinza com a escrita Stop Animal Cruelty.

Anualmente em torno de 100 milhões de animais morrem devido aos maus tratos causados pela exposição aos testes laboratoriais das indústrias de cosméticos, produtos de higiene e limpeza, gêneros alimentícios, dentre outros. Mesmo já tendo tecnologias alternativas mais eficientes e mais baratas que os testes em animais, como testes in-vitro, análise computadorizada, testes em pele 3D produzidas em laboratórios e até mesmo testes em humanos, a prática dos testes cruéis nos animais ainda é realidade em 80% dos países. Na China, o maior mercado consumidor do mundo, por exemplo, essa prática pode ser exigida para a liberação da venda de alguns produtos.

Infelizmente essa prática é muito comum e grande parte dos produtos cosméticos que temos no mercado utilizam matéria prima de origem animal em sua composição. O colágeno, tão desejado para a vitalidade da pele é extraído de ossos e cartilagem de animais; o ácido hialurônico, o queridinho da cosmética, é uma proteína retirada de cordões umbilicais; o ácido carmínico, muito utilizado na indústria alimentícia para dar cor avermelhada aos produtos, é um pigmento extraído da fêmea do inseto cochonilha, e que para a produção de apenas 450 gramas desse pigmento é necessário que aproximadamente 70000 fêmeas sejam mortas, causando assim desequilíbrio na população desses animais. Além de muitos outros tipos de crueldade a que os diversos animais como cães, gatos, ratos, entre outros são submetidos, o que lhes causa muitas vezes dor, cegueira, queimaduras e até a morte.

Você já parou para pensar em quanto sofrimento e crueldade o seu hidratante preferido já causou até chegar a você?

Neste contexto, surgiu o conceito “Cruelty-free”, que significa basicamente, livre de crueldade. Este termo foi adotado primeiramente por Lady Dowding durante o lançamento de uma coleção de casacos de pele sintética, “beauty without cruelty”, beleza sem crueldade. Desde então o termo vem sendo associado a produtos e empresas que não realizam testes em animais e nem utilizam produtos de origem animal na composição e formulação de seus produtos.

Mas não se enganem. Diversas marcas e empresas dizem por aí que são cruelty-free pois não realizam testes em animais, mas utilizam insumos vindos de outras empresas que fazem esse tipo de teste.

Para evitar esse tipo de prática, surgiram várias certificadoras, entre as mais conhecidas a Leapin Bunny, que mantém um forte vinculo com a Cruelty-Free International, organização que luta pelo fim dos testes em animais em todo mundo, e seu selo atesta que todos os produtos da fórmula e o produto final são livres de testes. A Cruelty-Free, a certificadora mais conhecida, criada pelo programa Beauty Without Bunnies, da PETA, também certifica que em nenhuma etapa do processo produtivo até o produto final foram realizados testes em animais. Além de muitas outras com a mesma proposta.

Quando você consome um produto certificado por esses selos, garante que nenhum animal precisou sofrer para aquele produto chegar até você, além de colaborar para o financiamento das campanhas de proteção animal em todo o mundo. Observe os rótulos, e se tiver alguma dúvida sobre seus produtos entre em contato com a SAC do fabricante.

Consuma com consciência, ética e respeito por todas as formas de vida do planeta, e tenha uma vida mais saudável, harmônica e feliz.

Por Mel Lessa e Maria Luciano Lessa